Índios fecham acordo com Funasa e desocupam prédio em São Paulo

Agência Brasil

SÃO PAULO - Indígenas que ocupavam o prédio da coordenadoria regional da Fundação Nacional de Saúde (Fuanasa), na região central de São Paulo, fecharam hoje (8) à tarde um acordo com a presidência da entidade e encerraram a manifestação.

Cerca de 70 índios de 36 etnias do estado ocuparam o prédio do órgão do Ministério da Saúde na terça-feira (5). Na noite da quarta-feira, deixaram o edifício pacificamente após a Funasa ter obtido na Justiça Federal um mandado de reintegração de posse. Os indígenas passaram a acampar na rua em frente à sede regional da entidade. Hoje, no período da manhã, voltaram a ocupar o prédio até o acordo com o presidente da entidade, Danilo Bastos Forte, ser fechado.

Inicialmente, os indígenas pediam a demissão do coordenador regional, Raze Rezek, como condição para deixar o prédio. De acordo com eles, Rezek não fazia uma boa gestão à frente da coordenadoria. Os índios reivindicavam também melhorias na infraestrutura das aldeias. Eles alegavam ainda que remédios vencidos chegaram a ser enviados às aldeias pela Funasa.

No acordo de hoje, o afastamento do coordenador não foi aceito pela Funasa. No entanto, o presidente da entidade se comprometeu a realizar cinco ações, entre elas, a liberação de materiais e equipamentos de sanamento para a ampliação da rede de abastecimento de água nas aldeias; a liberação de dez veículos exclusivamente para o atendimento à saúde da população indígena; e a garantia de que a execução do orçamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que estava prevista para o período de 2007 a 2010, será executada nos anos 2009 e 2010, sem prejuízo dos valores não aplicados nos anos de 2007 e 2008. Também ficou acordada uma nova reunião para o próximo dia 20, em Brasília.

"Saímos do prédio porque ficamos satisfeitos com a negociação", disse o porta-voz dos indígenas, cacique Darã. Ele não quis comentar a negativa da demissão de Rezek.