Delúbio desiste do retorno ao PT

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - Pressionado por diversas correntes petistas, o ex-tesoureiro Delúbio Soares retirou sexta-feira o pedido de reintegração ao PT. O pedido seria analisado na reunião de sexta-feira do Diretório Nacional do PT.

Delúbio foi expulso do PT depois do escândalo do mensalão esquema de compra de votos da base governista. O ex-tesoureiro disse que não aceitava a proposta de dirigentes petistas que, receosos do impacto que o retorno de Delúbio poderia ter na candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência, sugeriram ao ex-tesoureiro que ele retornasse ao partido somente depois de 2010.

Por quê 2011 se Delúbio de hoje é o Delúbio de 1980 e será o Delúbio de amanhã? Esse argumento não aceito. Não é digno de minha consideração por não ser válido protestou.

Emocionado, Delúbio disse que não queria embaraçar nem constranger ninguém com seu retorno.

Não pretendo ser motivo de qualquer divisão interna, muito menos causar discórdia por conta de uma postulação política que muitos dizem ser pessoal, a de voltar ao PT. Nem devo causar tipo algum de embaraço aos companheiros que se colocaram a meu lado no presente debate. Se tanto lutei pelo PT, por qual obscuro motivo iria agora provocar qualquer divisão interna? Não devo, não posso, não quero disse.

O ex-tesoureiro afirmou ainda que sua honestidade pessoal já é conhecida pelos petistas e por todos que conviveram com ele nos últimos anos.

Do que me acusam? Quantos são os políticos que realizaram campanhas sem que alguma soma, por menor que fosse, não tenha sido contabilizada? Por que insistem em distribuir condenações e atribuir culpas se quando o financiamento público de campanhas se faz claramente necessário, há a inevitável recusa em debater o tema? questionou.

Racha

O pedido de retorno de Delúbio ao PT dividiu os dirigentes do partido. Antes da reunião começar, o secretário-geral da sigla, deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP), disse que o momento não era apropriado para discutir a volta de Delúbio. Já o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), defendeu a discussão do pedido. Vaccarezza justificou que parte das acusações contra Delúbio perdeu força na quinta-feira a partir da deliberação do Supremo Tribunal Federal que arquivou a denúncia aberta contra ele por gestão fraudulenta numa ação que investiga suposto esquema de empréstimos fraudulentos do BMG ao PT.(Com agências)