Um rastro de mortes, desalojados e destruição

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - Ao menos 26 mil pessoas tiveram de deixar suas casas devido às chuvas que atingem o Ceará desde o início de abril, informou a Defesa Civil do estado. Destas, 11.065 estão desabrigadas e outras 15.507 ficaram desalojadas. Sete pessoas morreram no estado em decorrência das enchentes. Ao todo, mais de 165 mil pessoas foram atingiras pelas chuvas só no Ceará.

Seis municípios decretaram situação de emergência, mas outros 33 já solicitaram o decreto emergencial devido às chuvas. Ao todo, 59 municípios registraram estragos em decorrência das enchentes nos último mês. O município de Sobral é um dos mais afetados pelas enchentes, onde ao menos 400 pessoas de 27 comunidades estão ilhadas.

Em Salvador, quatro pessoas morreram e outras quatro ficaram feridas, terça-feira, em decorrência das fortes chuvas que atingem o estado. De acordo com a defesa civil estadual, três mortes foram provocadas por um deslizamento de terra na região de Pirajá. Uma criança também morreu afogada, na avenida San Martin. As identidades das vítimas não foram reveladas.

Entre as ocorrências registradas pela Defesa Civil estão 110 casos de deslizamentos de terra, nove alagamentos e oito desabamentos de imóveis, entre outros. O aeroporto internacional de Salvador também precisou suspender os pousos e decolagens devido às chuvas. Cerca de 27% dos voos foram cancelados.

No Pará, as regiões mais atingidas pelas cheias são o baixo Amazonas e Tapajós, onde o nível do rio já está a 8,5 metros acima do nível normal. De acordo com a Defesa Civil estadual, aproximadamente 32 mil foram afetadas pelas cheias ao menos mil estão desalojadas. São 28 municípios em situação de emergência. Dez mil novas cestas básicas foram enviadas para os atingidos, além de kits de emergência que incluem agasalhos, colchões, redes, medicamentos e alimentos.

Para piorar, as chuvas que atingem o Norte e Nordeste não devem parar tão cedo. Segundo previsão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, chove forte nas duas regiões novamente ao longo de quarta-feira. (Com agências)