Sem-terra iniciam jejum contra Ministério Público em Porto Alegre

Portal Terra

PORTO ALEGRE - Um grupo de 30 trabalhadores rurais sem-terra iniciou um jejum por tempo indeterminado na frente da sede do Ministério Público Federal (MPF) em Porto Alegre (RS). Os manifestantes protestam contra o que chamam de criminalização do movimento social por procuradores da República, promotores e procuradores de Justiça, juízes e o governo do Rio Grande do Sul.

O grupo se instalou na esquina da Avenida Júlio de Castilhos com a Praça Rui Barbosa e anunciou que só irá ingerir água até que seja resolvido o impasse com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Os manifestantes se instalaram na calçada da esquina da Avenida Júlio de Castilhos com a Praça Rui Barbosa ao amanhecer, anunciaram que só vão ingerir água e prometeram ficar no local até a solução dos atuais impasses que o Movimento dos Sem Terra (MST) enfrenta no Rio Grande do Sul. Entre os pedidos, está que o MPF desista de despejar 400 famílias acampadas dentro de um assentamento em Nova Santa Rita e que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) cumpra o compromisso assinado em 2007 de assentar 2 mil famílias no Estado.

O MPF negou que criminalize o movimento e afirmou que moveu ação cautelar para esclarecer supostas irregularidades no assentamento de Nova Santa Rita, como arrendamento de área para terceiros.