Vacina pode chegar em semanas

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou sexta-feira que alguns laboratórios podem passar a produzir vacinas contra o novo tipo de gripe dentro de algumas semanas para proteger as pessoas. A diretora para iniciativas de pesquisa em vacinas da OMS, Marie-Paule Kieny, afirmou que a agência está em contato com empresas farmacêuticas para discutir a possibilidade de suspender a produção de vacinas para gripe sazonal e passar a produzir uma vacina para a nova cepa, a A (H1N1). As amostras para desenvolver a vacina devem estar prontas para serem enviadas aos laboratórios para produção no fim de maio.

Nós não temos dúvida de que é possível desenvolver uma vacina eficaz disse a diretora, acrescentando que pode levar entre quatro e seis meses para estar disponível.

O número de casos confirmados de gripe suína cujo nome agora é influenza A (H1N1) chegou sexta-feira a 367, de acordo com o balanço oficial da OMS. O número inclui nove mortes no México e uma, de um bebê mexicano, nos EUA. Em todo o mundo 15 países já confirmaram casos, sendo Dinamarca, Hong Kong, França e Coreia do Sul os mais recentes. Fora do México, no entanto, quase todos são brandos, sem exigir internação. Em ao menos três países Escócia, Espanha e Alemanha há pessoas que não estiveram no México recentemente. A suspeita é de tenham contraído a doença por outras pessoas.

O prefeito da Cidade do México, Marcelo Ebrard, disse que as campanhas emergenciais contra o vírus estão surtindo resultados. Em uma tentativa de conter a disseminação da epidemia de gripe, o México iniciou sexta-feira a paralisação da maioria de órgãos públicos e empresas. Hospitais públicos, que atendem quase metade do país, receberam apenas 46 pacientes com sintomas graves da gripe, bem abaixo dos 212 pacientes registrados em 20 de abril

Indivíduos têm levado as medidas muito a sério, o que nos levou a uma situação em que os números estão melhorando a cada dia. Não estou dizendo para baixarmos a guarda, estou lhes dizendo para que saibam onde estamos disse Ebrard.

Em Hong Kong, autoridades de saúde declararam alerta sanitário, isolaram o Hotel Metropark, onde estava hospedado um mexicano de 25 anos que adoeceu e procuram o taxista que o levou ao hotel, assim como os passageiros do voo em que chegou ao território. Nos EUA, país com maior número de vítimas depois do México, o número de casos subiu para 143, em 20 Estados, depois do surgimento de dois novos casos na Flórida.

Em Boston, a Faculdade de Odontologia da Universidade de Harvard foi fechada, depois que seis estudantes apresentaram sintomas de gripe.

Estamos todos preocupados, mas não há motivo para pânico disse o médico David Rosenthal, diretor da Faculdade de Serviços de Saúde da universidade ao jornal Boston Globe.

Em Miami, a arquidiocese aconselhou os sacerdotes a depositarem a hóstia da comunhão nas mãos dos fiéis e não na boca, e a não compartilharem o vinho usado na celebração.

O presidente americano, Barack Obama, disse que a epidemia poderá seguir o curso de uma gripe comum qualquer no país, mas ressaltou que Washington se prepara para o pior.

Eu estou otimista que conseguiremos cuidar disso efetivamente sublinhou.