Lula minimiza polêmica com uso de passagem aérea por deputados

REUTERS

RIO DE JANEIRO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os parlamentares que usaram passagens aéreas para transportar pessoas próximas não cometeram um crime e acrescentou que quando foi deputado utilizou sua cota para levar sindicalistas a Brasília.

- Isso é uma coisa mais velha do que a descoberta do Brasil - afirmou o presidente após participar da inauguração de uma unidade da Rede Sarah de Hospitais, no Rio de Janeiro.

- Eu não acho correto, mas não acho um crime um deputado dar uma passagem para um dirigente sindical ir à Brasília - disse o presidente, acrescentando que quando era deputado convocou dirigentes sindicais para se reunir em Brasília com passagem do seu gabinete.

Lula ressaltou, no entanto, que nunca utilizou a cota do seu gabinete para levar algum parente à Europa.

- Qual é o crime de um deputado levar a mulher para Brasília? Graças a Deus nunca levei um filho meu para Europa, vocês dão dimensão demais a uma coisa que pode ser corrigida pela própria mesa do Congresso. Eu não vejo onde está o tamanho do crime que as pessoas estão vendendo - disse o presidente a jornalistas.

Na terça-feira, líderes partidários da Câmara dos Deputados aprovaram novas regras que disciplinam o uso de passagens aéreas pelos parlamentares. As medidas foram tomadas depois de denúncias de irregularidades.