Bate-boca no STF: Protógenes diz que país começa a ser passado a limpo

Rose Mary de Souza, Portal Terra

SÃO PAULO - O delegado Protógenes Queiroz, que foi responsável pela Operação Satiagraha, afirmou nesta quinta-feira, que o "Brasil começa a ser passado a limpo", ao ser questionado sobre o bate-boca envolvendo o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e o ministro Joaquim Barbosa, no último dia 22. Em uma das piores discussões do Supremo, Barbosa acusou Mendes de destruir a credibilidade do Judiciário.

Mendes passou a ser alvo de críticas após conceder dois habeas-corpus ao banqueiro Daniel Dantas, preso durante a operação comandada por Protógenes. Mendes coordenava o julgamento de um processo sobre a Previdência pública no Paraná, quando indagou sobre o fato de Barbosa ter questionado uma suposta "sonegação de informações" sobre o caso. Barbosa, em tom agressivo, alegou que Mendes não tinha conhecimento da realidade, pois só pensava em aparecer na mídia.

- Os fatos falam por si só - limitou-se a dizer Protógenes. Ele afirmou que a população brasileira está mais consciente e foi bom a discussão ter sido transmitida pela TV, para que todos "possam tirar suas próprias conclusões".

Protógenes fez as afirmações em Campinas. Ele foi à cidade a convite da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para dar uma palestra na faculdade de Direito da PUC sobre corrupção.

No evento, Protógenes afirmou que o Brasil deixa de ganhar R$ 10 bilhões ao ano por causa da corrupção. Ele disse aos alunos que vale a pena optar pela honestidade e garantiu ter negado US$ 5 milhões para interromper as investigações da Operação Satiagraha.

O delegado voltou a fazer diversos ataques ao banqueiro Daniel Dantas. Protógenes afirmou que, quando saiu da PF, o controlador do banco Opportunity tinha mil concessões de solo no Brasil. O número, segundo o delegado, estaria em torno de 1,4 mil agora.