Oposição pede indiciamento de Dantas e Protógenes em CPI

Portal Terra

BRASÍLIA - Deputados de oposição que integram a CPI das Escutas Telefônicas apresentaram nesta quinta-feira um voto em separado no qual pedem para que seja incluído no relatório o indiciamento de todas as pessoas relacionadas à Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

O delegado que comandou a operação, Protógenes Queiroz, e o banqueiro alvo de investigação, Daniel Dantas, integram a lista, juntamente com o ex-diretor da Abin, Paulo Lacerda, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Jorge Félix, além de membros da cúpula da agência, como Márcio Seltz.

Todos têm o indiciamento sugerido pela oposição pelo crime de improbidade administrativa, exceto o banqueiro, que é acusado de ter infringido a lei de escutas telefônicas ao contratar os serviços da empresa internacional Kroll de investigação.

Para os deputados, a operação Satiagraha foi marcada por irregularidades, entre elas, a parceria informal entre PF e Abin. Os deputados pedem para que o Ministério Público se aprofunde na apuração dos nomes mencionados, já que eles consideram ser pouco provável que a base aliada ao governo permita que o relatório seja concluído com tantos indiciamentos.

- Como achamos improvável aprovar indiciamentos, o mínimo a ser feito é indicar as divergências. Queremos que esses dados sejam enviados ao Gabinete de Segurança Institucional, Abin, Polícia Federal, Tribunal de Contas da União, Polícia Civil e à comissão de controle externo de inteligência para que se discuta o papel das instituições que são importantes para o Estado de Direito -explicou o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR).

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) que também participou da elaboração do voto, fez duras críticas à Satiagraha durante a leitura. - Essa CPI falha ao não atribuir responsabilidade aos vários personagens que tiveram participação direta ou indireta no episódio. (...) Pessoas foram espionadas sem ter qualquer conexão com o objeto da operação. Esse quadro desenha uma intenção ainda que inconfessa de constranger, chantagear e criar turbulência - disse.

O relator da CPI, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), admite que pode acatar a sugestão de incluir o nome de Dantas no pedido de indiciamento por existirem provas de que ele realmente contratou a Kroll com objetivo de obter informações privilegiadas por meio de escutas ilegais.

Pellegrino assume na semana que vem o cargo de secretário de Justiça do Estado da Bahia e terá que se afastar da CPI antes de sua conclusão final. No lugar dele, deverá assumir a relatoria da comissão apenas para finalizar os trabalhos a deputada Iriny Lopes (PT-ES).

Na próxima terça-feira, a CPI se reúne para tentar fechar o relatório. Ainda falta o voto em separado do presidente da comissão, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ). Somente na quinta-feira o relatório deverá ser votado e a CPI encerrada. Neste dia, Pellegrino se comprometeu a comparecer à Câmara.