Polícia Federal trabalha de forma neutra, diz Tarso

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro afirmou nesta quarta-feira que as investigações da Polícia Federal (PF) são feitas de forma neutra, sem barreiras, como deseja o governo. - É uma polícia de vanguarda que dá exemplos à América Latina e ao mundo -disse o ministro, ao participar da abertura da conferência 'O papel da Polícia Federal na nova Política Nacional de Segurança Pública', promovida pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, no Hotel Nacional, em Brasília.

De acordo com o ministro, a PF não é uma "polícia política" e investiga pessoas de todos os segmentos da sociedade. - Pessoas de todas as esferas são investigadas e é diminuto o percentual de investigações sobre gente da classe política, que, no final, acaba ganhando maior divulgação - afirmou.

O aperfeiçoamento dos trabalhos de investigação é necessário, tendo em vista o avanço do Brasil em todas as áreas, assinalou o ministro da Justiça. Ele destacou que o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, tem tido um papel fundamental na renovação da instituição.

Ao falar no encontro, Corrêa afirmou que a PF cumpre sua obrigação alinhada com as macro-políticas do país. Ele disse que a Conferência de Segurança Pública, que será realizada no segundo semestre deste ano, será um marco na construção da política de segurança pública do país.

Segundo Corrêa, o país já vê resultados concretos do trabalho da PF em diversas áreas, dentro do que prevê o Programa Nacional de Segurança Pública e Cidadania (Pronasci). A Polícia Federal vem trabalhando para reduzir o custeio sem prejuízo do seu trabalho operacional. - A qualidade da prova precisa ser uma preocupação da PF e isso é importante para aumentar a cada ano os inquéritos relatados - acrescentou. Quando a prova é robusta, destacou ele, é menor a probabilidade de repercussões negativas sobre o trabalho da PF.

O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Sandro Torres Avelar, disse que apenas 3,5% das investigações realizadas hoje pela PF resultam em pedido de quebra de sigilo telefônico à Justiça. Por isso, ele entende que as escutas são usadas de forma comedida. Segundo ele, o poder econômico e político da criminalidade exige medidas de maior realce durante as investigações.

Avelar enfatizou ainda que o uso de algemas também vem sendo feito dentro da técnica, cujo objetivo é garantir a segurança do preso, dos agentes e da sociedade.