Tarso diz que PF não vazou dados sobre Operação Castelo de Areia

Agência Senado

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse, em audiência na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, que o propósito da Operação Castelo de Areia não era investigar financiamento de campanha, mas lavagem de dinheiro e fraudes financeiras.

Segundo o ministro, a Polícia Federal realizou a investigação por cerca de um ano e três meses sem que nenhuma informação vazasse para a imprensa. Se houve vazamento, afirmou ele, pode ter ocorrido por meio da Justiça Federal ou do Ministério Público, mas não da PF. Conforme explicou, jornalistas têm acesso, junto ao MP ou à justiça federal, ao relatório elaborado pela Polícia Federal, e o divulgam como se tivessem recebido informação de uma fonte da PF.

O diretor-geral da PF, Luis Fernando Corrêa, também ressaltou que o foco da investigação era a questão financeira e que os dados foram divulgados apenas em um único momento, quando a publicidade era permitida.

Os dois admitiram que a Operação Satiagraha foi a única que fugiu dos padrões estabelecidos pela PF, uma vez que houve exposição dos envolvidos.