Justiça nega pedido de liberdade a Salvatore Cacciola

Portal Terra

BRASÍLIA - O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) negou nesta terça-feira o habeas corpus para trancar ação penal contra o ex-banqueiro Salvatore Cacciola. A ação também pedia a liberdade do acusado ou a revogação da prisão.

Segundo a defesa do ex-banqueiro, o acordo de extradição que possibilitou o retorno dele ao Brasil, em 2008, era limitado à ação penal que resultou na condenação de 13 anos de reclusão. Segundo o acordo, ele não poderia ser preso ou processado sem o consentimento do príncipe de Mônaco.

A defesa alegou, ainda, que Cacciola está preso por uma ordem de prisão decretada na ação penal que está suspensa até a decisão do Ministério da Justiça sobre o pedido para extensão do acordo de extradição.

Segundo a decisão do relator do processo no TRF-2, desembargador federal Messod Azulay, a suspensão da ação penal não impede que o ex-banqueiro continue preso. Segundo o relator, seria um contra-senso permitir que Cacciola aguarde em liberdade resposta ao pedido de extensão da extradição, devido à possibilidade de ele deixar o país.

Ao ter um pedido de habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2000, Cacciola viajou para a Itália, sua terra natal, fixando residência, até ser extraditado em 2008.