Turismo vai investir R$ 12 milhões para incentivar turismo doméstico

Agência Brasil

RIO - O Ministério do Turismo vai investir R$ 12 milhões em campanhas para incentivar o turismo doméstico no primeiro semestre deste ano. Serão feitas quatro grandes campanhas promocionais, uma para cada feriado previsto para o período.

Segundo o ministro Luiz Barretto, o turismo doméstico é a grande aposta do setor em função da crise econômica mundial que deve afastar turistas europeus e norte-americanos. Ele também destacou a importância de atrair o turista sul-americano, por causa da desvalorização do real em relação às moedas dos países do continente.

- O real desvalorizou mais de 40% em relação ao dólar e não houve isso em nenhum país da América do Sul. Portanto, a aposta é no mercado doméstico e no mercado sul-americano - disse Barretto, acrescentando que também haverá um aumento de 20% nos investimentos em campanhas para a América do Sul.

O ministro disse ainda que 2009 será certamente um ano difícil e que será preciso se esforçar muito para manter um resultado pelo menos parecido com o do ano passado, quando houve um recorde de entrada de divisas de quase US$ 6 bilhões no Brasil.

- Vamos trabalhar nessa direção [de conseguir um bom resultado], torcer para que os feriados nos ajudem, movimentar bastante a cadeia interna do turismo. Mas sou cauteloso e não gostaria de dar nenhum prognóstico [para 2009] - disse.

Luiz Barretto afirmou também que, em breve, serão anunciados investimentos em infra-estrutura nas 12 cidades que sediarão a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Segundo ele, o governo federal só está esperando a escolha das 12 sedes pela Federação Intenacional de Futebol (Fifa), em maio deste ano, para anunciar os investimentos.

- Nossos investimentos serão em mobilidade urbana e em transportes públicos. Não haverá investimentos públicos na área dos esportes, por exemplo. Essa é uma questão privada. A Fifa, que é a organizadora, tem todas as condições de financiar os estádios. Nós não vamos entrar nesse debate. Nosso debate é que o legado da Copa tem que ser a mobilidade urbana - afirmou.

Estão previstos investimentos em aeroportos, metrôs, corredores de ônibus e terminais rodoviários, entre outros. Também serão aplicados recursos na qualificação de profissionais para a recepção de turistas e na infra-estrutura hoteleira.