IBGE começa a coletar dados sobre saúde dos estudantes

Agência Brasil

BRASÍLIA - A partir desta segunda-feira, cerca de 500 pesquisadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) começam a coletar dados sobre a saúde dos estudantes. Pela primeira vez, o órgão vai investigar aspectos relacionados às práticas alimentares e às atividades físicas, ao consumo de álcool e drogas, ao envolvimento com episódios de violência e à sexualidade dessa parcela da população.

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense 2009) será realizada em parceria com os ministérios da Saúde e da Educação e os resultados devem ser divulgados até dezembro deste ano. De acordo com a coordenadora do levantamento, Maria Isabel Fernandes, os dados vão nortear o desenvolvimento de políticas públicas específicas para jovens e adolescentes.

- O objetivo do estudo é identificar e monitorar os fatores de risco a que os jovens estão submetidos, como propensão a doenças cardiovasculares e diabetes, por exemplo. Com os dados em mãos, políticas públicas serão traçadas - explicou.

Segundo ela, ao todo 70 mil alunos da 8ª série ou 9º ano do ensino fundamental, em 1.504 escolas públicas e privadas de todas as capitais brasileiras, devem responder ao questionário, que é formado por 104 perguntas. Os estudantes também serão pesados e medidos. Maria Isabel Fernandes destaca que a participação dos alunos será sempre voluntária e não haverá qualquer tipo de identificação.

Outra novidade da realização da coleta de dados é a utilização de computadores de mão pelos informantes. O IBGE já utiliza esse tipo de equipamento, que em outros levantamentos é operado pelo pesquisador. De acordo com o instituto, a medida deve garantir maior veracidade às informações, já que reduz o grau de constrangimento dos alunos ao responder a determinadas perguntas, como se já fez uso de drogas ou álcool e com qual frequência, ou ainda se usou preservativo na última relação sexual.

A coordenadora da pesquisa ressaltou que caso o aluno não queira responder alguma questão, poderá deixá-la em branco. Para evitar problemas com os pais dos alunos, foram realizados encontros para explicar o objetivo do estudo e reforçar que será garantido o anonimato dos participantes.