Escutas telefônicas denunciadas no RS eram legais, diz Justiça

Portal Terra

PORTO ALEGRE - A Justiça do Rio Grande do Sul confirmou nesta quarta-feira que as escutas telefônicas denunciadas pelo ex-ouvidor de Segurança do Estado Adão Paiani eram legais e foram autorizadas pela então juíza eleitoral da comarca de Lajeado, Nara Cristina Neumann Cano Saraiva. Segundo ela, as escutas foram um pedido do Ministério Público Eleitoral.

Na última sexta-feira, Adão Paiani entregou ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul (OAB-RS), Cláudio Lamachia, um CD com gravações supostamente obtidas de forma ilegal e cujo conteúdo traria a conversa de uma pessoa do governo estadual sugerindo casos de favorecimento.

A OAB-RS pediu à Justiça que verificasse a legalidade das escutas, o que foi confirmado pelo corregedor-geral do órgão no Estado, Luiz Felipe Brasil Santos. Assim, as acusações de Paiani estão desmentidas pela Justiça. As gravações foram ouvidas no último domingo, em reunião fechada, por 14 conselheiros da OAB-RS, que não encontraram indícios de tráfico de influências. Mesmo assim, persistia a dúvida sobre a legalidade das escutas.

Segundo a juíza, as gravações apresentadas por Paiani foram autorizadas em 5 de setembro do ano passado, para investigação da campanha do ex-vereador de Lajeado Márcio Klaus (PSDB), que acabou sendo cassado em 2009 por crime eleitoral. O processo ainda não transitou e Klaus responde às acusações em liberdade.