Deputado dono de castelo em MG depõe sobre uso de verba indenizatória

Agência Brasil

BRASÍLIA - O deputado Edmar Moreira (sem partido/MG) prestou depoimento nesta quinta-feira, por quase quatro horas, na Comissão de Sindicância da Corregedoria da Câmara, que analisa representação feita pelo P-SOL por suposto uso indevido da chamada verba indenizatória. O deputado deixou a comissão sem falar com a imprensa.

O corregedor e 2º vice-presidente da Câmara, deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), disse que o depoimento foi importante para a investigação que a comissão está fazendo. - Foi imprescindível - disse, sem detalhar o depoimento de Edmar Moreira. A investigação está sendo feita em sigilo como prevê as normas regimentais.

ACM Neto informou que até sexta-feira deverão chegar à sindicância novos documentos solicitados à órgãos externos para ajudar a completar o processo de análise que está sendo feito. Segundo ele, os integrantes da Comissão de Sindicância fizeram ao deputado Edmar Moreira uma série de perguntas para esclarecimento de dúvidas. - Com o depoimento desta quinta o relator, deputado José Eduardo Cardoso (PT-SP), já caminha para começar a elaborar o seu parecer - disse.

O relator José Eduardo Cardoso também não quis falar sobre a investigação e nem do depoimento. Afirmou que o seu relatório expressará todos os aspectos que envolvem a investigação.

- Não seremos duros demais para conseguir fato político e também não seremos lenientes em nenhum momento com qualquer irregularidades . Será um relatório equilibrado - afirmou.

Cardoso disse ainda que a Comissão de Sindicância deverá propor normas para normatizar o uso da verba indenizatória. - Uma vez que a normatização existente não satisfaz minimamente. Vamos sugerir mudanças nas normas. Não podemos ter um vazio normativo como temos hoje nessa matéria - informou.