CPI dos Grampos quer suspender sigilo de operações Satiagraha e Chacal

Da redação, Agência Brasil

SÃO PAULO - Uma comissão de deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas Clandestinas vai pedir nesta terça-feira à tarde, na capital paulista, a juízes federais que suspendam o sigilo de operações da Polícia Federal (PF) como a Satiagraha e a Chacal.

Segundo o presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), o fim do sigilo de tais operações poderá contribuir para o indiciamento do banqueiro Daniel Dantas pela prática de escutas ilegais, além do delegado da PF, Protógenes Queiroz, do ex-presidente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda e do vice-diretor da Abin, Milton Campana, por terem mentido em depoimento na comissão. Eles negaram na CPI a participação de agentes da Abin na Operação Satiagraha.

Para que possamos fazer esse indiciamento bem fundamentado, precisamos dos autos que se encontram na Justiça Federal e estão sob segredo de Justiça , disse Itagiba, depois de ter conversado com o juiz Fausto De Sanctis, responsável pela Satiagraha.

Itagiba informou que na conversa com o juiz, ele e os demais deputados falaram da necessidade do compartilhamento de dados da operação. O juiz só deve se pronunciar após o requerimento por escrito, que deve receber ainda hoje da CPI. Se ele decidir que sim, será de grande contribuição para a CPI. Se ele decidir que não, ele estará causando grandes prejuízos à investigação", afirmou Itagiba, que deve se encontrar hoje com mais dois juízes.

Fausto De Sanctis não terá prazo para se pronunciar, mas o deputado acredita que isso possa ser feito em até 48 horas.