Mulher não suspeitou que homem roubaria avião em GO, diz tio

Portal Terra

SÃO PAULO - Érika Correia Santos, 21 anos, mulher de Kleber Barbosa da Silva, 31 anos, que roubou um monomotor de um aeroclube de Luziânia, no entorno do Distrito Federal, e caiu com a aeronave no estacionamento do shopping Flamboyant, na última quinta-feira, disse que não suspeitou que ele tentaria matá-la e que depois viria a roubar a aeronave. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo o tio de Érika, Antônio da Mota, aos poucos ela está conversando com a família. Mota disse que Érika só se deu conta de que o marido planejava algo quando a acertou na cabeça com o extintor de incêndio. Ele agrediu a mulher durante uma briga, quando os dois voltavam de carro de Caldas Novas (GO), cidade turística goiana.

Depois de agredi-la, Silva pegou a filha, Penélope Barbosa Correia, 5 anos, e a levou até o aeroclube em Luziânia, onde alugou um avião para fazer um vôo panorâmico. Na hora de entrar na aeronave, ele teria rendido o piloto e deixado ele de fora do monomotor, entrando apenas com a menina. Silva ainda sobrevoou a cidade de Goiânia, até cair no estacionamento do shopping. Pai e filha morreram no acidente.

"Não houve discussão durante aquele dia, nada. Quando ela saiu do carro e foi até o porta-malas, achou que ele fosse mostrar algo. Quando ele a acertou, ficou surpresa", disse o tio de Érika.

Nesta segunda-feira, o delegado Manoel Borges, que investiga o caso, deverá ouvir duas testemunhas: um tio de Érika que falou com Silva quando ele estava na aeronave e um piloto que viu as manobras. O depoimento de Érika está marcado para terça-feira.