Via Campesina promete novas ocupações na luta pela reforma agrária

Agência Brasil

BRASÍLIA - A coordenadora da Via Campesina, Maria José da Costa, disse hoje que invasões, como as que ocorreram ontem no Ministério da Agricultura, em Brasília, e também em outras unidades da Federação, continuarão enquanto o governo não se dispuser a discutir reforma agrária e meio ambiente.

- Estamos exercendo um direito constitucional. E vai continuar se essa modalidade que vem sendo defendida continuar vigorando - afirmou.

Ela participou hoje do lançamento da Aliança para Defesa da Reforma Agrária e do Meio Ambiente, no Senado. Foi divulgado também um manifesto com uma plataforma mínima de assuntos para serem debatidos no parlamento e com a sociedade.

Entre eles estão o cumprimento e não a reforma do Código Florestal, o resgate dos princípios da reforma agrária, como a não-concentração de terras, a punição de grileiros e ocupantes de má-fé e a observância das normas ambientais, o favorecimento da agricultura familiar e o fortalecimento da reforma agrária e do meio ambiente.

A aliança é formada por entidades como a Via Campesina, CNBB, Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Fórum Brasileiro de ONGS e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS).

A Comissão de Agricultura do Senado aprovou um requerimento convidando os ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, e do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, para discutir a medida provisória que trata da regulamentação fundiária na Amazônia Legal.