Polícia investiga mãe de menina de 9 anos que sofreu aborto

Portal Terra

RECIFE - O delegado Antônio Dutra, de Alagoinha (PE), afirmou que investiga se a mãe da menina de 9 anos que teve a gravidez de gêmeos interrompida na semana passada foi negligente no suposto caso de estupro. O padrasto da criança está preso há 10 dias suspeito pelo crime.

Segundo Dutra, foi requerida nesta manhã uma prorrogação do inquérito por mais 10 dias para que a mãe seja ouvida novamente. A criança teve a gestação interrompida após os médicos que cuidaram do caso avaliarem que a menina corria risco de vida se não fosse feito o aborto.

O padrasto da menina, José Amâncio, um desempregado de 23 anos, foi preso e encaminhado no dia 27 de fevereiro ao Presídio Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, no agreste de Pernambuco. De acordo com a polícia, ele vivia com a mãe da criança desde 2005.

Os policiais afirmaram ainda que, durante depoimento, o homem, suspeito de ter estuprado também a irmã de 14 anos da garota, confessou ao delegado Antônio Dutra ter abusado da menina mais velha e alegou ter sido seduzido pela garota e também confessou ter abusado da mais nova, mas negou ter estuprado a menina. De acordo com o Código Penal brasileiro, o padrasto poderá pegar mais de 15 anos de prisão em regime fechado.