Inquérito aponta grupo de extermínio formado por PMs em SP

Portal Terra

SÃO PAULO - A Polícia Civil deve entregar nesta segunda-feira à Promotoria do Júri de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, o relatório final sobre as mortes que teriam sido provocadas por um grupo de extermínio que ficou conhecido como 'Os Highlanders'. O documento aponta que existe um grupo de extermínio na Polícia Militar de São Paulo integrado por cerca de 15 policiais e um comerciante. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Entre os PMs investigados, 14 são do 37º Batalhão, na zona sul de São Paulo, e um é integrante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar). Todos estão presos. Eles são acusados de participar de 12 mortes, só em 2008. Uma das 12 vítimas do suposto grupo criminoso é o deficiente mental Antonio Carlos Silva Alves, 31 anos, o Carlinhos.

Entre abril e outubro de 2008, cinco pessoas foram encontradas decapitadas, o que levou o grupo a ser chamado de "Os Highlanders". As outras sete vítimas foram baleadas. Dos 12 mortos, 11 viviam nas áreas de Capão Redondo, Parque Santo Antônio e Jardim Herculano.

O depoimento de testemunhas levaram a Polícia Civil a apontar os PMs como suspeitos pelos crimes. Pelo menos seis dos mortos teriam sido vistos em viaturas do 37º Batalhão e da Rota antes de serem encontrados mortos. O relatório deverá ser encaminhado pela promotoria de Itapecerica ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), também do Ministério Público.