Defesa de Cacciola pede liberdade ao ex-banqueiro no STF

Portal Terra

BRASÍLIA - Os advogados do ex-banqueiro Salvatore Cacciola entraram com um novo habeas-corpus no Supremo Tribunal Federal na tarde desta segunda-feira. Eles pedem a liberdade do ex-banqueiro, condenado em primeira e segunda instância por gestão fraudulenta do Banco Marka e por corrupção de servidor público. Cacciola está preso em Bangu 8, no Rio de Janeiro.

Como o processo ainda está em fase de apelação, Cacciola pede o direito de recorrer em liberdade da pena, calculada em 13 anos de reclusão e multa. A defesa do ex-banqueiro argumenta que ele preenche os requisitos para aguardar o final do processo em liberdade.

- (Cacciola) Reúne todas as condições pessoais para responder em liberdade ao processo, além de ter ocupação lícita e endereço fixo - diz o habeas-corpus, que não tem pedido liminar, apenas de mérito. Segundo os advogados, se estiver solto ele não comprometerá a ordem pública e econômica, a instrução criminal e a aplicação da lei penal.

Cacciola era dono do Banco Marka, que quebrou com a desvalorização cambial de 1999. O banco tinha 20 vezes seu patrimônio líquido comprometido em contratos de venda no mercado futuro de dólar. O Banco Central socorreu a instituição e o Banco FonteCindam, vendendo dólares com cotação abaixo do mercado para que não quebrassem.

A principal alegação para o socorro foi o risco de a quebra provocar uma "crise sistêmica" no mercado financeiro. Cacciola chegou ao Brasil em julho do ano passado após ser extraditado de Mônaco, onde estava preso desde setembro de 2007.