Ciro Gomes diz que não é doido para fazer aliança com Serra para 2010

Portal Terra

FORTALEZA - O deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) garantiu, na manhã desta segunda-feira, que não existe possibilidade de uma aproximação com o atual governador de São Paulo, José Serra (PSDB), em uma suposta candidatura do tucano à corrida presidencial de 2010. Convidado a participar de um debate sobre a crise financeira internacional na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, Ciro afirmou que a impossibilidade é por um motivo simples: a oposição ideológica entre os dois políticos.

- É tão grave a contradição entre o que eu penso e o que ele (Serra) faz e representa, que afirmo que eu estou ficando é velho, doido não - disse o deputado, afirmando não fazer política por razões pessoais.

Ciro, que também é considerado como possível postulante à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assegurou não sentir arrependimento por ter abdicado de concorrer ao Palácio do Planalto para reforçar a reeleição do presidente Lula em 2006. Em seguida, classificou como precipitada a postura de representantes de outros partidos de já se proclamarem candidatos. Porém, Ciro admitiu o desejo de entrar na corrida do ano que vem.

- Estou disposto a ser candidato, mas só assumo na hora própria. Não é hora de lançar candidatura! O governo mal inteirou a metade do segundo mandato e entrou-se numa luta desagregadora. Não vou somar a minha palavra e aceitar esse equívoco, o que não quer dizer que a gente não seja obrigado a discutir o país - revelou.

Sobre o momento de recessão mundial, o deputado rebateu as afirmações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a crise no Brasil já apresenta sinais de melhora.

Conforme o parlamentar, a expectativa é de que o crescimento de 6% projetado anteriormente para o país não passe da casa dos 2%. - O Brasil só não quebrou dessa vez graças ao trabalho do presidente Lula no primeiro mandato. Mas todos os números que ele melhorou, nesse ano, vão piorar - afirmou.

Ciro argumentou que isso vai acontecer porque as contas brasileiras no exterior já apresentam déficit, os preços das commodities estão em queda, os juros chegaram a ser elevados pelo Banco Central (BC), o crédito tem estado em retração, além da regressão do nível de emprego e do aumento do subemprego. - A crise tem todos os sinais de impactar o país este ano. Há uma perda geral e só quem ganhou com isso foi a especulação financeira, que não dá um dia de serviço a ninguém - finalizou.