Lago diz que decisão do TSE ameaça eleição de 2010

Portal Terra

SÃO LUÍS - O governador do Maranhão, Jackson Lago (PDT), cassado na madrugada de ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou que espera que os ministros do tribunal corrijam a decisão, que ele classificou como um erro. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Lago disse que, se a decisão do TSE que cassou seu mandato for mantida, José Serra (PSDB), Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) não poderão ser candidatos à Presidência em 2010 porque estão viajando pelo país.

- Acreditamos que os equívocos sejam corrigidos pelos ministros. Reexaminar e corrigir o erro também é da natureza humana. Fui incriminado porque fui à festa de aniversário do município de Codó, em abril de 2006, muito antes das convenções partidárias, que são em junho - disse.

- Nesta linha, nem o governador (José) Serra, nem o governador Aécio Neves, nem a ministra Dilma Rousseff, poderão ser candidatos ao Planalto porque estão viajando - afirmou.

A defesa de Lago deve recorrer ao TSE com um recurso chamado "embargo de declaração". O objetivo declarado é sanar dúvidas ou omissões do julgamento, mas o objetivo final dos advogados é devolver o comando do Estado a Lago.