ONG quer discussão ampla sobre pedofilia no interior de SP

Agência Brasil

RIO - O representante do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (RJ) e da organização não governamental Água Doce Serviços Populares, Waldemar Boff, defende que os casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes na periferia de Catanduva, no interior de São Paulo, devem ser discutidos de forma mais ampla e mais politizada.

Ontem, ele esteve no município paulista para acompanhar os pais que levaram as denúncias ao senador Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI da Pedofilia. Para Boff, os casos de pedofilia em Catanduva não podem ser vistos apenas como violação dos direitos humanos, mas devem trazer à tona uma discussão sobre o que está por trás desse problema. Boff diz que é preciso se discutir por que um crime como esse, que chocou os moradores, ocorreu numa cidade pequena como Catanduva.

- Esperamos que o caso seja tratado conforme a lei, com todos as agravantes e atenuantes, e que seja politizado. Ou seja, que a cidade pergunte se os conselhos da criança estão funcionando, se os conselhos tutelares estão funcionando, que tipo de políticas públicas eles têm para as periferias, que tipo de amparo às famílias eles têm - disse Boff.

- É uma virtude quando se revelam as mazelas para politizar a questão. Por que surge esse tipo de coisa numa cidade? O que não funciona? É a destituição das famílias, que são muito pobres e que se veem obrigadas a isso, ou são as instâncias públicas que não funcionam? - indaga.

Segundo ele, pais de crianças que foram vítimas dos abusos sexuais, a maior parte delas moradoras da periferia, reclamaram que encontraram dificuldade para fazer as denúncias aos órgãos competentes. E a situação só mudou quando ONGs, inclusive do Rio de Janeiro, decidiram entrar no caso. - As cidades gostam de exaltar as virtudes e esconder os próprios vícios. E, como em cidades pequenas todos são relacionados minimamente a todos, só entidades de fora, polícia de fora e instâncias maiores que podem resolver casos como esse, senão acaba em pizza - concluiu Boff.