Yeda diz que não vai responder a 'provocações' do Psol

Portal Terra

SÃO PAULO - A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, disse em entrevista nesta sexta-feira que não vai responder a "provocações de bêbados de porta de bar", se referindo às denúncias de corrupção feitas pelo Psol com base em supostas provas no processo sobre o desvio de R$ 40 milhões do Detran entre 2003 e 2007.

A governadora diz que não vai exigir provas, e que é de responsabilidade do Psol apresentar as provas que diz existirem.

- Eles devem exigir de si próprios- disse Yeda. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

Segundo a governadora, a acusação feita pelo Psol trata-se de uma técnica usada para tentar desviar o foco do bom momento do governo.

- Colocamos as contas em dia e, quando isso é feito, parece que eles, por não terem o que dizer, usam armas que não são próprias da política gaúcha- falou.

- Eles (Psol) não têm credibilidade para dizer nada. Não podiam convocar a imprensa para fazer dela massa de manobra para os propósitos golpistas que sabidamente têm- afirmou a governadora.

Ainda de acordo com Yeda, esta é uma tentativa de confundir a opinião pública em relação a um momento muito bom que o Estado inteiro vive.

- Em cima da divulgação de uma coisa boa, eles se organizam para promover uma falsa denúncia- acrescentou.

Durante a entrevista, a governadora disse que ficou entristecida pela morte de ex-representante de seu governo em Brasília, Marcelo Cavalcante, cujo corpo foi encontrado no Lago Paranoá.

- Agora, com a aparição de um cadáver (de Marcelo Cavalcante), eles deflagraram oportunisticamente isso, chamando a mídia para uma coletiva em que fizeram acusações requentadas e sem prova aproveitando-se do resguardo parlamentar- disse.

Yeda classificou as acusações como infundadas.

- No final do ano passado (quando o Ministério Público Estadual considerou como legal a compra do imóvel questionada pela oposição) ficou provado que nunca aconteceram- finalizou.