Trabalhadores da Embraer querem ajuda de Lula para reverter demissões

Agência Brasil

SÃO PAULO - Após assembléias realizadas nesta sexta-feira na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, sindicalistas e trabalhadores demitidos da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) decidiram protestar em três frentes contra a decisão da empresa de cortar em 20% sua força de trabalho.

Eles pretendem reivindicar a reestatização da empresa, a redução da jornada de trabalho de 43,5h para 40h semanais e que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva edite uma medida provisória revertendo as demissões anunciadas ontem pela Embraer.

Segundo José Donizete de Almeida, da executiva do sindicato, a idéia é fazer uma nova assembléia na próxima sexta-feira às 9h30 na sede da entidade e realizar uma mobilização na tarde do mesmo dia na porta da Embraer com a participação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Força Sindical.

- É muito grave o momento que estamos vivendo mas por trás dessa demissão da Embraer existe toda uma política de manter seus lucros a todo custo, inclusive sacrificando aquilo que mais é importante que é o salários da trabalhadores. Isso cria um problema social gravíssimo - ressaltou.

No sábado, os trabalhadores devem aproveitar o tradicional bloco carnavalesco da cidade, Acorda Peão, para protestar contra as demissões.

Na semana que vem os sindicalistas pretenden entrar com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho em Campinas para discutir judicialmente as demissões. Eles também planejam montar uma caravana que seguirá para Brasília, mas ainda não há data definida para a mobilização.