Metrô de SP comprou trens baseado em pesquisa na web

Portal Terra

SÃO PAULO - O Metrô de São Paulo fez, em 2007, uma compra de R$ 499,8 milhões em trens baseado em uma pesquisa de preços na internet. Como a licitação foi feita em 1992 e as bases financeiras não eram mais as mesmas, a empresa diz que pesquisou o valor pago em 13 cidades entre 2000 e 2004 para determinar o preço. A empresa vencedora, a Alstom, é investigada suspeita de pagar propina para obter contratos com o governo paulista. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

A pesquisa, de acordo com o jornal, usou como principal fonte os fabricantes Alstom, Ansaldo Breda, Bombardier, CAF e Siemens, em textos que são propagandas em forma de comunicado.

Ainda segundo o jornal, documentos do Metrô indicam que dados como risco-país, condições de financiamento e câmbio, consideradas influentes para a compra, foram ignoradas. A Folha afirma que promotores suíços acusam a Alstom de pagar a políticos do PSDB para receber contratos com o Metrô e a Eletropaulo.

De acordo com o Tribunal de Contas do Estado (TCE), o Metrô deveria ter feito uma nova licitação em vez de manter a de 1992. A empresa afirma que a interpretação é errada, pois em 1992 comprou 22 trens, mas pode pagar apenas por 11. Em 2007, decidiu comprar os outros 11 e levou ainda mais cinco. Segundo o Metrô, um parecer encomendado a Marcelo Figueiredo, diretor da Faculdade de Direito da PUC-SP, afirma que esse tipo de licitação não depende de prazo, mas da entrega da encomenda.

Sobre a pesquisa na internet, o Metrô disse que usa um "complexo sistema para levantamento de preços" e que a pesquisa é feita "em numerosas fontes de informações disponíveis na internet e publicações especializadas".