Edmar Moreira quer declaração para deixar DEM sem perder mandato

Agência Brasil

BRASÍLIA - O deputado federal Edmar Moreira (DEM-MG) ajuizou nesta segunda-feira, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), um pedido de reconhecimento de justa causa para que possa se desfiliar do seu partido sem perder o mandato. Ele alegou estar sofrendo perseguição política, com grave discriminação pessoal da presidência e da liderança do partido na Câmara dos Deputados.

Moreira estaria sob ameaça de expulsão do partido, por ter lançado candidatura avulsa para o cargo de 2º vice-presidente da Câmara dos Deputados, disputa na qual venceu o candidato oficial do DEM, deputado Vic Pires Franco (PA). Outro fato apontado por Moreira como motivo de perseguição diz respeito à suposta omissão na declaração do imposto de renda de uma luxuosa propriedade no interior de Minas, conhecida como Castelo Monalisa. O deputado alega que, desde 1993, o castelo pertence aos seus dois filhos.

Edmar Moreira também é citado em um inquérito, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), sobre apropriação indébita previdenciária. - Desde quando a mera existência de uma denúncia é óbice legal ou fático a exercício de qualquer cargo na mesa diretora da Câmara? - questionou, no recurso, o deputado. - O partido é que não está sendo fiel com seu filiado - acrescentou.

O pedido de Moreira será relatado pelo ministro Félix Fischer. Inicialmente, o ministro terá que abrir prazo para a manifestação formal das partes. Depois, para ir a plenário, a ação deve ser publicada, com 48 horas de antecedência, na pauta de julgamentos do TSE.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais