Briga de torcida acaba com três mortes e 50 prisões em Goiânia

Portal Terra

GOINIA - A rivalidade entre torcidas dos times de futebol Goiás e Vila Nova resultou na morte de três adolescentes na periferia de Goiânia (GO) na madrugada de domingo, horas antes do clássico entre os dois times, no Estádio Serra Dourada. No mesmo dia, foram presas mais de 50 pessoas, a maioria adolescentes integrantes de torcidas organizadas, todos acusados de atos de violência. Um jovem de 20 anos, líder de uma facção da torcida do Goiás, foi apresentado nesta segunda-feira como autor do triplo homicídio.

A chacina aconteceu durante uma festa de aniversário em uma casa no Jardim Curitiba IV. O aniversariante Rafael Vieira Figueiredo, que completava 17 anos de idade, foi executado com tiros na cabeça e no tórax. Jaderson de Souza, 17 anos, e Ari Aranha Júnior, 22 anos, amigos de Rafael, também foram atingidos por tiros na cabeça e morreram no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Um rapaz de 23 anos, que foi baleado com ferimentos leves na cabeça, foi liberado do hospital ainda na manhã de domingo.

Todas as vítimas eram membros da torcida Esquadrão Vilanovense. O crime teria sido cometido por integrantes da torcida organizada do Goiás, a Força Jovem. Hoje pela manhã, a polícia apresentou à imprensa Diego Carlos de Almeida, 20, presidente da 30ª Legião da Força Jovem da Região Noroeste. Ele foi indiciado como autor do triplo homicídio. À tarde, um rapaz identificado como Renatinho - suspeito de estar envolvido com a chacina - deve comparecer à Delegacia de Homicídios para depor.

De acordo com a polícia, participantes da festa de aniversário se dirigiram na noite de sábado até uma boate onde se encontravam membros da Força Jovem, localizada a cerca de 1 km de onde havia a festa. Um adolescente - torcedor do Goiás - foi espancado e os invasores fugiram. Colegas da vítima que estavam na casa - conhecida como Casarão, ponto de encontro de torcedores esmeraldinos daquela região - resolveram se vingar e foram até a casa do aniversariante.

Rafael - que não havia ido até a outra casa - foi baleado e morreu a caminho do posto de saúde do bairro. Houve luta corporal entre os dois grupos e mais tiros foram disparados. Jaderson e Ari ficaram feridos e morreram no Hugo. Os torcedores do Goiás fugiram depois do ataque.

A prisão de Diego aconteceu durante abordagem policial a um ônibus do transporte coletivo municipal que levava torcedores do Goiás para o jogo no Serra Dourada. Dois jovens em uma moto "escoltavam" o ônibus e chegaram a atirar nos agentes da Delegacia de Homicídios e do 22º DP, que se aproximaram do veículo.

Rojões teriam sido disparados contra um grupo de pessoas, entre eles policiais civis. Foram aprendidos dois revólveres, rojões e um uniforme do Vila Nova queimado. Mais de 50 pessoas foram encaminhadas para o 22º DP e cerca de 30 destas - todas adolescentes - foram levadas para a Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai). Muitos pais passaram a tarde e a noite de ontem na delegacia, em busca de informações sobre seus filhos.