Berlusconi: caso Battisti não deve afetar relação com Brasil

Agência Brasil

BRASÍLIA - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, afirmou que o caso do ex-ativista Cesare Battisti, a quem o governo brasileiro concedeu o status de refugiado político, não deve prejudicar as "excelentes e amistosas" relações bilaterais entre Itália e Brasil em nenhum setor de interesse recíproco.

Em uma nota divulgada nesta sexta-feira, Berlusconi reiterou que usará todas as alternativas legais possíveis para conseguir fazer com que o Brasil extradite Battisti, condenado na Itália à prisão perpétua por quatro assassinatos.

- É necessário que a questão continue se desenvolvendo em seu seio natural, o jurídico, onde a Itália não deixará de tentar nada para obter a extradição de Battisti para nosso país - declarou o primeiro-ministro.

- É de fato bem conhecido que estes dias o governo realize todos os passos possíveis e necessários para tal finalidade, também através, e como último recurso, da apresentação de um recurso para o Tribunal Supremo brasileiro, do qual esperamos com confiança o êxito - conclui.

Estas declarações chegam após o Supremo Tribunal Federal - que deve agora se pronunciar sobre a concessão do status de refugiado político a Battisti - abrir nesta quinta um prazo de cinco dias para a Itália se manifestar sobre o assunto.

Battisti, 54 anos, está preso no Brasil desde 2007. O ex-ativista do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) é condenado à prisão perpétua na Itália por quatro homicídios.

Ao conceder refúgio a Battisti, em 13 de janeiro, o ministro brasileiro Tarso Genro afirmou que o italiano "possui fundado temor de perseguição por suas opiniões políticas", o que é contestado pelo governo e justiça da Itália.

Na última terça-feira, o chanceler italiano, Franco Frattini, chamou para consultas seu embaixador em Brasília, Michele Valensise - um gesto que na diplomacia indica o agravamento do conflito bilateral