Planalto pode ficar longe da disputa pelo Senado, diz Viana

Agência Senado

BRASÍLIA - O senador Tião Viana (PT-AC), candidato do PT e de outros partidos da base do governo à Presidência do Senado, informou à imprensa, nesta segunda-feira, ter ouvido 'no Palácio do Planalto' que, se o senador José Sarney (PMDB-AP) confirmar que também pretende disputar o posto, o governo 'ficará distante' das duas candidaturas.

Existem hoje oficialmente dois candidatos da base do governo - o próprio Tião Viana e o atual presidente, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN). Os dois foram indicados por suas bancadas no Senado. A eleição será próximo dia 2, pela manhã.

Tião Viana disse ainda ter ouvido do senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), em conversa por telefone, que 'sairá da disputa se o senador José Sarney entrar'. Garibaldi teve seu nome lançado pela bancada peemedebista no dia 11 de dezembro passado. Conforme informações da imprensa, Sarney pretende informar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que aceitará disputar a Presidência da Casa.

As afirmações de Tião Viana foram feitas ao lado do senador José Nery (PSOL-PA), que o recebeu em seu gabinete para comunicar apoio à candidatura do petista. - Agora, tenho o apoio de seis partidos - disse Viana.

Já manifestaram apoio, além da bancada do PT, o PR, o PSB, o PSOL, o PRB e o PDT. Tião Viana disse ainda que a CUT e a Força Sindical anunciaram nesta segunda-feira que apóiam sua candidatura.

Ao justificar a decisão de apoiar Tião Viana, José Nery sustentou que ele "representa renovação no Senado e pode contribuir para a votação da reforma política". E acrescentou: - Ele tem estatura política e ética para ocupar o cargo de presidente do Senado.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais