GO: pai de suspeito de matar em boate pede que filho se entregue

Portal Terra

SÃO PAULO - O PM Wanderley Luís Rodrigues, pai do suspeito de matar no último domingo o universitário e representante comercial Higor Bruno Borges Esteves, DE 23 anos, na porta de uma boate em um setor nobre de Goiânia, em Goiás, pediu ao filho que se entregue à polícia.

- Eu vejo que aquilo ali foi por impulso. Da turma que estava envolvida, do ato infracional da briga, e do álcool que ele não tinha controle. Eu não quero que ele seja um foragido da Justiça. Se ele tem que pagar, ele tem que pagar - disse. As informações são do Jornal Nacional.

A Justiça Estadual de Goiás decretou nesta segunda-feira, a prisão de Gedeilson Rodrigues, de 24 anos. Higor e um amigo se envolveram em uma briga com o acusado e três homens, que já estão presos.

Gedeilson teria deixado a boate para pegar a arma em um carro, voltado e, supostamente orientado por um dos envolvidos na briga, atirado contra Higor e o amigo dele, Marcondes José da Silva, de 23 anos. Marcondes foi ferido de raspão na barriga. O acusado também teria efetuado cerca de 20 tiros a esmo e atingiu a parede da boate, de uma clínica médica vizinha e uma árvore. Ele deixou o local antes da chegada da polícia.

O motivo da briga ainda é conflitante. Os acusados presos dizem que Higor e Marcondes teriam flertado com a namorada de um deles, o que deixou o grupo irritado. Já a namorada de uma das vítimas disse que a briga começou após um esbarrão na saída da boate.