Dono da Gol é indiciado por mais um homicídio

Norma Moura, JB Online

BRASÍLIA - O empresário Constantino de Oliveira, 77 anos, conhecido como Nenê Constantino, dono da Gol Linhas Aéreas e da Viação Planeta, acaba de ser indiciado por mais um homicídio e uma tentativa de homicídio, em Brasília. A informação foi divulgada há pouco em entrevista coletiva na Delegacia de Polícia Especializada da Polícia Civil do Distrito Federal.

O empresário e dois ex-funcionários são acusados pela Coordenação de Investigação de Crimes Contra a Vida (Corvida), da Polícia Civil, da morte do caminhoneiro Tarcísio Gomes Ferreira, 42 anos, ex-funcionário da empresa de viação de Constantino, e de tentar matar o pintor José Amorim dos Reis, 42, na tarde do dia 9 de fevereiro de 2001.

Os crimes, segundo a polícia, estão relacionados com a invasão de um terreno de propriedade do empresário em Taguatinga Norte, o mesmo que causou o assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo de Souza Brito, 27 anos, morto outubro daquele ano em uma emboscada. O trio já havia sido indiciado no início deste mês por esse crime.

Segundo a investigação, o caminhoneiro foi morto com quatro tiros em frente a sua moradia, no terreno invadido. Ele conversava com José dos Reis e segurava a mão de sua filha de quatro anos quando foi atingido pelos disparos. Dois tiros ainda acertaram o pintor, que acabou sobrevivendo.