Instituto quer reduzir pontos de venda de bebidas alcoólicas

Portal Terra

SÃO PAULO - O Instituto Nacional para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas pretende propor ações que inibam a concentração de pontos de venda de álcool no Brasil como forma de diminuir a violência no país. Dados da Confederação Nacional das revendas da Ambev e das Empresas de Logística e Distribuição, maior rede de distribuição e logística de bebidas do Brasil, apontam mais de 1 milhão de pontos de venda em todo o território nacional, o que equivale a um para cada 190 brasileiros.

O instituto é um dos 35 vencedores paulistas do edital do Programa Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia, do CNPq/Fapesp, e terá uma verba de R$ 2,4 milhões para serem investidos nos próximos três anos.

De acordo com Ronaldo Laranjeira, coordenador do instituto, um dos objetivos é ampliar o levantamento sobre o perfil do consumidor de álcool, para que o combate ao problema aconteça de acordo com as peculiaridades de cada região. Um dos objetivos é criar ações que inibam tal concentração de pontos de venda.

Segundo ele, os resultados obtidos nas pesquisas e os "cases" de sucesso dos trabalhos realizados pelo instituto podem servir de base para uma nova legislação sobre a venda de bebidas, a ser encaminhada para o Congresso Nacional para ser discutida pela sociedade.

- Temos um bom número de especialistas no Brasil, mas ainda faltam pesquisadores. Os trabalhos ainda estão restritos a poucos grupos no Sudeste e Sul - afirmou.

Segundo ele, hoje, no Brasil, "não há praticamente nenhuma política pública na área de álcool. A única lei que temos, praticamente é a de beber e dirigir, que é recente", disse.

Neste fim de semana, os motoristas que passarem pela região dos bares e restaurantes da Vila Madalena, Vila Olímpia, Itaim, Vila Mariana e Vila Nova Conceição, na capital paulista, serão impactados por campanha da Secretaria de Estado da Saúde para evitar excessos e não dirigir após ingerir bebida alcoólica.

Haverá distribuição de 10 mil folhetos de orientação nessas regiões como parte da ação do governo estadual de entregar 300 mil folders em pedágios das estradas administradas pela Dersa e Nova Dutra.