Lula quer medidas contra a crise de governadores

Ana Cecilia Americano, Jornal do Brasil

RIO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá realizar no início de janeiro uma reunião com alguns governadores para discutir medidas coordenadas entre governo federal e governos estaduais para enfrentar os sinais mais evidentes da crise sobre a economia real no Brasil. É o que informou, nesta terça-feira, o governador mineiro Aécio Neves, durante o evento que reuniu os presidentes do Brasil e França, Nicolas Sarkozy, no Rio de Janeiro.

O presidente da República me disse agora pouco que pretende conversar já em janeiro com um grupo de 4 a 6 governadores de estados, talvez das economias que estejam sentindo mais os impactos da crise, para examinarmos algumas medidas conjuntas afirmou Aécio Neves. Segundo o governador mineiro, as medidas incluiriam ações de âmbito fiscal, envolvendo tanto as esferas federal como estaduais.

O presidente conversou comigo, com certeza com o governador Sérgio Cabral e, acredito, com os governadores dos estados que tenham maior participação no PIB brasileiro informou Aécio. Segundo o governador, o convite poderá se estender, num segundo momento, a todos os governadores. Aécio avaliou a iniciativa como positiva.

Nós queremos conjugar os esforços- disse.

De acordo com o dirigente mineiro, Lula estaria preocupado com setores específicos, como o comércio de carros usados, onde o crédito teria desaparecido . Na reunião com os governadores, portanto, seria possível examinar medidas que possam ser tomadas no campo de incentivos tributários conjuntamente por estados e pelo governo federal.

Segundo Aécio, Minas foi o primeiro estado a tomar medidas de alongamento de pagamento de ICMS e aberto linhas de crédito para os setores mais atingidos pela crise que agora atinge a economia real, principalmente os ligados à cadeia do setor siderúrgico.

Quando o setor mineral sofre, a siderurgia e o setor automotivo também sofrem exemplificou. A situação do estado, que concentra boa parte das demissões anunciadas recentemente pela Vale, foi agravada, ainda, pelas recentes chuvas.

Estamos analisando algumas medidas que eu pretendo formatar, e que vou anunciar nesta quarta-feira, que possam dar um pouco de alívio a 43 municípios do estado que estão hoje em situação de emergência comprometeu-se o governador mineiro.

Aécio contou que o quadro levou o presidente Lula a se prontificar a ajudar Minas Gerais.

Nesse primeiro momento, (a ajuda) não será necessária afirmou. De acordo com o dirigente, o governo estadual está em fase de a avaliação dos danos para poder atender as demandas necessárias. Se for o caso, nós acionaremos o governo federal.