Chuvas causam problemas em sete estradas do RJ, MG e SC

Agência Brasil

BRASÍLIA - As fortes chuvas que têm atingido os estados das regiões Sul e Sudeste nas últimas semanas causaram problemas em sete estradas no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e em Santa Catarina.

Segundo o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), o caso mais grave ocorre no Rio de Janeiro, onde a BR 356 continua submersa na altura dos municípios de Cardoso Moreira, Itaperuna e Italva. Os moradores dessas cidades estão sem acesso por rodovia. Nesta terça-feira, equipes do Dnit irão avaliar as condições das pistas cobertas pela água.

Já na BR 354, do quilômetro 13 ao 19, técnicos do órgão de Brasília e do Rio fazem vistoria no local. A área já foi sinalizada e foram colocadas pedras para conter erosão até a obra definitiva. Nesse perímetro, o Dnit recomenda cautela aos motoristas pois em alguns trechos o tráfego só é possível em meia pista. Na BR-101 o trânsito flui normalmente nas duas pistas, mas com o acostamento ocupado pelo material que deslizou das encostas.

Em Minas Gerais, de acordo com o Dnit, na BR 494, o tráfego continua interrompido no quilômetro 90, entre os municípios de Carmo da Mata e Oliveira. Nas BRs 116 e 369 o trânsito é feito em meia pista próximo a Muriaé e no perímetro urbano de Alfenas.

Em Santa Catarina, na BR 470, o trânsito foi liberado no quilômetro 14,7, no município de Navegantes. Em Blumenau, no quilômetro 41, há um pequeno desvio no local, em faixa dupla. No entanto, conforme o Dnit, o trânsito flui normalmente.

No quilômetro 63 da BR 470, também em Blumenau, há um desvio no local até a recuperação total da encosta, mas o trânsito flui nos dois sentidos. Em Rodeio, no quilômetro 86, técnicos trabalham na recuperação dos aterros e das encostas, onde a pista cedeu. Continua o desvio no local, mas com o trânsito fluindo nos dois sentidos.

Já na BR 282, na altura do município de Águas Mornas, no quilômetro 31, a pista cedeu e há um desvio ao lado da pista. O trânsito está fluindo nos dois sentidos e o trabalho de recuperação das encostas já foi iniciado.