Garibaldi agora defende votação rápida da reforma tributária

Agência Brasil

BRASÍLIA - Depois de considerar que não há mais tempo para votar a reforma tributária este ano, o presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), mudou sua posição e fez coro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Garibaldi cobrou da bancada governista a decisão política de votar o mais rápido possível a reforma tributária. Ele considera que é hora da base aliada ao governo "testar" sua força "e bater chapa" com a oposição.

O parlamentar ressaltou que a falta de entendimento sobre o assunto entre os governistas deixa transparecer aos partidos de oposição que não há condições políticas para se votar a reforma tributária. Neste sentido, o presidente do Senado considerou que a pressão dos aliados ao governo "é um instrumento de ação parlamentar" que deve ser efetivado.

Segunda-feira última, Garibaldi havia descartado qualquer hipótese de votação, ainda este ano, da reforma tributária. Hoje, porém, desafiou a bancada governista, fazendo coro com o presidente Lula: "Vamos testar, bater chapa, bater voto", disse.

Ele negou que tenha conversado com Lula sobre o assunto mesmo que extra-oficialmente.

- Parece que o pé do ouvido que foi procurado foi outro, foi o de Arlindo Chinaglia, presidente da Câmara - afirmou o senador. A matéria está pronta para ser apreciada em plenário pelos deputados.

Ontem, o presidente Lula defendeu a votação rápida das mudanças na legislação tributária.

- Quero saber qual é a disposição de votar. Para mim seria importante votar logo a reforma tributária para colocar outro tema na pauta - disse Lula, ao sair da reunião do Fórum de Governadores do Nordeste, em Recife.