Exército deve começar a retirar helicópteros de SC

Portal Terra

BLUMENAU - O clima de tranqüilidade parece predominar no 23º Batalhão de Infantaria de Sentinela do Vale, em Blumenau (SC). A ordem é evitar o desperdício e os helicópteros são utilizados em casos de extrema necessidade. Alguns deles, como o Cougar e o Esquilo, se preparam para retornar à base, em Taubaté, no interior de São Paulo.

- Acabou o período de resgate. Não há mais o que fazer nesse sentido e, mesmo que aconteça um ou outro caso, o Corpo de Bombeiros está em condição de assumir - afirmou o tenente-coronel Edson Rosty.

O chefe do Exército afirmou que as aeronaves têm partida marcada e apontou uma nova metodologia de trabalho: 'ainda há muito o que fazer. Vamos focar nossas atividades para a estrutura de alojamentos e abrigos'.

O piloto de um dos helicópteros, capitão Marcus Vinicius, lembra algumas das histórias por que passou no Estado. - Cheguei no Baú no momento em que estava acontecendo a parte mais dramática. Pensava que era algo tranqüilo, mais um trabalho de rotina - contou. - A imagem que fica é assustadora. Vai do pânico do caos à tranqüilidade de uma cidade fantasma - afirmou.

Os motoristas de caminhões também passaram por situações semelhantes. - Me recordo que o meu primeiro trabalho foi a abertura de uma barreira. Aquilo me marcou demais porque, quando consegui cruzar a pista, encontrei uma criança chorando pedindo para que eu a ajudasse - disse o soldado Osvanildo Pereira da Silva.

O trabalho do Exército conta com 583 homens do 23º Batalhão e outros 430 do restante do país. Quando não estão em atividades, os soldados permanecem dentro do alojamento, de prontidão, à espera de uma emergência.