Dilma: país precisa manter investimentos para exploração do pré-sal

Agência Brasil

BRASÍLIA - O Brasil tem dois desafios em relação à camada pré-sal: manter os investimentos de prospecção e de exploração de petróleo nessa região e evitar que o país seja atingido pela chamada "maldição do óleo", ou seja, a desindustrialização da economia e a dependência financeira das reservas petrolíferas. A afirmação foi feita agora há pouco pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, durante audiência pública conjunta na Câmara dos Deputados.

A ministra também rebateu os argumentos de que a exploração do pré-sal só vai ocorrer no futuro.

- O pré-sal é para agora e é instrumento fundamental para posicionar o Brasil na retomada da economia - disse.

Dilma enumerou ainda medidas que o país deve tomar para que a exploração do pré-sal gere recursos e, ao mesmo tempo, desenvolvimento econômico e empregos. Segundo ela, o Brasil precisa fazer licitações para contratar sondas, barcos de apoio e ancoradores, firmar contratos de longo prazo para prestação de serviços e oferecer suporte à expansão da capacidade da indústria naval.

De acordo com a ministra, em razão do alta volume e da qualidade do óleo da camada pré-sal, o Brasil deixará de ser importador para ser exportador de petróleo.

Ela foi convidada para participar da audiência pública conjunta da Câmara dos Deputados que discute os impactos da crise econômica mundial no Brasil e as ações do governo para enfrentá-la.