Amorim diz que atitude do Equador foi surpreendente e preocupante

Agência Câmara

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou que o principal problema na relação do Brasil com o Equador foi a forma como o governo equatoriano se conduziu. Segundo ele, a atitude de recorrer a um tribunal externo sem nunca ter enviado nenhum comunicado oficial ao Brasil questionando os termos do contrato com o BNDES "surpreendeu e preocupou o governo brasileiro".

O governo do Equador interrompeu o pagamento de empréstimo obtido no BNDES para a construção de uma hidrelétrica pela empreiteira brasileira Norberto Odebrecht, em razão de problemas ocorridos na obra.

Além do problema não-pagamento da dívida em si, o ministro citou o efeito que a decisão pode provocar no sistema de avaliação de risco dos países para definição de empréstimos internacionais. Ao deixar de pagar o empréstimo, o Equador aumenta seu risco-país e, indiretamente, o de todos os países da América do Sul.

O ministro defendeu a política do governo de conceder empréstimo a outros países para financiar exportações de bens e serviços de empresas brasileiras.