MPF pode recorrer da sentença e pedir pena maior para Daniel Dantas

Agência Brasil

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo pode recorrer da sentença, proferida nesta terça-feira pelo juiz federal Fausto De Santis, para pedir aumento das penas dos réus Daniel Dantas, Hugo Chicaroni e Humberto Braz.

Em nota enviada à imprensa nesta tarde, a assessoria de comuncação do MPF informou que o procurador Rodrigo de Grandis discordou das penas e que poderá, nos próximos dias, apresentar um recurso.

- Dantas foi o mandante do crime e entendo que ele poderia ter sido condenado à pena máxima. Os acusados demonstraram desprezo às instituições públicas ao oferecer propina a um delegado da Polícia Federal - disse o procurador, segundo a nota.

O banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunity, foi condenado pelo juiz Fausto De Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, a dez anos de prisão e multa de mais de R$ 1,4 milhão por corrupção ativa. Dantas é acusado de tentar subornar um delegado da Polícia Federal para ter seu nome excluído das investigações da Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

Foram condenados ainda o consultor Hugo Chicaroni e o assessor de Dantas, Humberto Braz, ambos a sete anos de prisão, por terem cumprido o papel de intermediários na oferta de suborno. Eles teriam oferecido ao delegado da PF Victor Hugo Rodrigues Alves US$ 1 milhão para excluir o nome de Dantas da investigação. Braz também foi multado em R$ 877 mil e Chicaroni, em R$ 292 mil. Todos os condenados podem recorrer da decisão em liberdade, uma vez que o juiz não expediu mandado de prisão contra eles.

A condenação dos trés réus, segundo o Ministério Público, trouxe justiça e demonstra que a corrupção era comum no universo do banqueiro . Segundo o Ministério Público, esta foi a primeira condenação criminal de Dantas. Além dessa ação penal que responde na Justiça, Dantas também é alvo de um inquérito policial por gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro à frente do Banco Opportunity.