PR: Polícia apura ligação entre a morte de Rachel e outro assassinato

Portal Terra

CURITIBA - A Polícia Civil do Paraná apura se há relação entre a morte da menina Rachel Maria Lobo de Oliveira Genofre, 9 anos, encontrada em uma mala na rodoferroviária de Curitiba (PR), e a de Alessandra Subtil Betim, 8 anos, encontrada em um matagal na cidade de Castro.

Segundo o delegado Miguel Stadler, chefe do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), nesta manhã uma equipe do Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) foi enviada para a cidade onde aconteceu o crime para verificar se as mortes têm ligações. Caso seja comprovada qualquer conexão, os policiais irão assumir os dois casos.

Dezenas de policiais do Cope, da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), do Sicride, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) e da Delegacia de Homicídios se reuniram, na tarde desta segunda-feira, para dividir atividades de investigações sobre novas hipóteses e suspeitos para a morte de Rachel.

- Não deixaremos a sociedade sem resposta e não deixaremos um criminoso como este solto e impune. Não vamos descansar enquanto não o encontrarmos - disse o Secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari.

De acordo com o delegado Stadler, a polícia tem outras linhas de investigação que precisam ser aprofundadas.

- Existe um suspeito preso, mas, mesmo assim vamos aprofundar outras hipóteses e avaliar outros suspeitos. Já temos um número muito grande de policiais nas ruas. Distribuímos várias apurações para diversas equipes. Vamos descobrir quem matou Rachel e por quê - disse.

O delegado afirmou que nada será divulgado por enquanto para não atrapalhar as investigações.

- Não podemos arriscar, porque se não for comprovado que o assassino é mesmo o ex-presidiário preso, estaremos dando informações sobre as ações da polícia ao verdadeiro assassino. Falaremos quando ele estiver preso e tivermos certeza absoluta de que cometeu o crime - explicou o delegado.