Dilma pede para ninguém tirar proveito eleitoral da crise

Agência Brasil

BRASÍLIA - Ao comentar os reflexos da crise financeira internacional no âmbito político e na sucessão presidencial de 2010, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, avaliou hoje (31) que nem governo nem oposição podem tirar proveito eleitoral da crise.

O governo não faz isso, ele tem responsabilidade. Se a oposição fizer, vai pagar o ônus, porque ninguém pode apostar que o povo brasileiro não perceba quem está trabalhando pelo bem do país e quem não está. E governo e oposição são obrigados a trabalhar pelo bem do país da mesma forma , disse, após participar de entrevistas a emissoras de rádio durante o programa Bom Dia Ministro, nos estúdios da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Sobre a participação nas eleições municipais de 2008, Dilma lembrou que havia tempo que não fazia uma campanha direta assim e que o processo eleitoral permitiu à ela uma boa visão do país. Temos uma característica muito interessante: o nosso povo é alegre e a eleição, dificilmente, não é uma festa. Tem um componente de integração democrática que é muito bom de viver.

A ministra não teme que a conclusão do pleito municipal abra espaço para que ela se torne alvo da oposição. Não acho que ela tem me tratado mal. Ela me trata como oposição e isso é do jogo.

Dilma negou ainda que o apoio prestado por ela a algumas prefeituras tenha sido planejado como uma alternativa para diminuir resistências a ela dentro do próprio PT. Não [do processo eleitoral] participei por isso. Participei, porque é uma questão importante para a cidadã e para a ministra que sou.

Para Dilma, uma possível desaceleração na economia brasileira não prejudicará o candidato do partido na disputa presidencial em 2010. Aqui nós não quebramos , disse, em referência à crise internacional.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais