TV: pai de Nayara diz que acordo era falar ao telefone

Portal Terra

SÃO PAULO - O pai de Nayara, que foi ferida depois de voltar a ser mantida refém junto à amiga Eloá em um apartamento de um conjunto habitacional de Santo André, na região do Grande ABC Paulista, afirmou em entrevista ao vivo no programa Faustão que o acordo com a polícia era que a filha conversaria apenas ao telefone com o seqüestrador.

- Não foi informado nenhuma vez que ela voltaria ao apartamento - disse Luciano Vieira da Silva.

Nayara Vieira da Silva, de 15 anos, ficou ferida com um tiro na boca após ser mantida refém por mais de 40 horas por Lindemberg Alves, 22. A adolescente foi operada no Centro Hospitalar Municipal de Santo André e não terá seqüelas, segundo os médicos. Ela foi liberada pelo seqüestrador na noite de terça-feira e voltou ao apartamento na manhã de sexta-feira. A Polícia Militar afirma que a menina deveria ter ido apenas até o primeiro lance de escadas, mas acabou entrando no apartamento por sua própria vontade.

Ainda de acordo com o pai, a família segue a orientação médica de não comentar sobre o ocorrido durante a recuperação da adolescente.

- A gente não conversou com ela a respeito disso, a gente esta poupando ela porque ainda está meio abalada, sob efeito de anestesia - disse.

Silva contou no programa que os momentos de maior tensão foram a chegada e a saída da menina do cativeiro.

- A gente ficou muito nervoso duas vezes, uma quando ela conseguiu sair e depois voltar lá novamente e sair nessa situação - disse.

Seqüestro

Lindemberg Alves invadiu o apartamento da família da ex-namorada Eloá, na tarde de segunda-feira. Ela estava acompanhada da amiga Nayara e de dois colegas de escola. Eles fariam um trabalho para aula quando todos foram rendidos.

Lindemberg libertou os dois adolescentes na segunda-feira e Nayara na terça-feira, após mantê-la no apartamento por 33 horas. O seqüestro foi motivado pela recusa de Eloá em reatar o namoro. Na quinta-feira, Nayara voltou ao apartamento onde estavam Lindemberg e Eloá e saiu ferida com um tiro na boca no desfecho.

Médicos decretaram a morte cerebral de Eloá às 23h30 deste sábado. Os órgãos foram liberados para doação pela família. Lindemberg responderá por homicídio e dupla tentativa de homicídio, segundo a polícia.