Membro do Conanda critica ação da polícia de São Paulo

Bruno Bocchini, Agência Brasil

SÃO PAULO - Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), criticou a ação da Polícia Militar de São Paulo no resgate de duas adolescentes seqüestradas na cidade de Santo André (SP).

O seqüestro teve início na última segunda-feira e terminou na noite desta sexta-feira após a PM invadir o local onde as duas adolescentes eram mantidas reféns pelo ajudante de produção Lindemberg Fernandes Alves. Durante a ação da PM, as duas adolescentes foram baleadas.

Na terça-feira, o seqüestrador liberou uma das meninas. Na quinta. no entanto, ela foi reconduzida pela polícia ao cativeiro.

- Nos espantou o fato que a adolescente ter ficado como refém, depois ter sido libertada e acabou retornando ao local, inclusive com a participação de policiais, o que é inaceitável no que diz respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê que nenhum adolescente seja submetido a uma situação de risco à sua vida ou à integridade física, avalia Ariel.

O membro do Conanda ressalta que a cobertura excessiva dos veículos de comunicação pode ter colaborado negativamente no desfecho do caso. Durante o seqüestro, Fernandes chegou a ser entrevistado ao vivo por programas de televisão e sites.

- Na prática, o seqüestrador ficou com o controle total da situação, ele até exigiu a volta de uma adolescente. A gente precisa verificar até que ponto o excesso de cobertura não colabora para alimentar esse tipo de situação. Falta uma transparência maior do governo nesses casos de reunir toda a imprensa e falar o que pode ser noticiado e no que a imprensa precisa colaborar não noticiando, defende.

Por se tratar de um seqüestro envolvendo adolescentes, Ariel avalia ainda que o caso mereceria um tratamento diferenciado.

- Nesse tipo de caso é necessário um cuidado maior porque se tratam de jovens adolescentes, pessoas que têm um temperamento diferenciado e estão em formação da sua personalidade e instáveis. Por isso a necessidade de especialistas para colaborar nessas ocorrências.