SP: negada liberdade a suspeito de arrastar jovem

Portal Terra

SÃO PAULO - A Justiça negou o pedido de liberdade provisória e sem fiança pedida pelo pintor de carros Admilson Alves de Oliveira, 26 anos, acusado de atropelar e arrastar a estudante universitária Flaviana Barbosa, 27 anos, por 900 metros, em Araraquara, no fim de semana. A jovem está internada em coma induzido. Em sua decisão, o juiz Silvio Moura Salles alegou que a gravidade do caso não justifica a soltura de Oliveira.

O suspeito está preso na Penitenciária de Araraquara. No pedido, a defesa do pintor alegou que Oliveira é pessoa pobre e não tem condições de pagar a fiança de R$ 1.210 estipulada pelo delegado. No mesmo documento, justifica que o motorista fugiu da cena 'por justo receio da reação dos familiares da vítima, bem como das pessoas que presenciaram o acidente'.

Na negação do pedido, o juiz Silvio Moura Salles, afirma que 'independentemente de exame aprofundado do fato, é certo que o caso apresenta acentuada gravidade'. 'A concessão da liberdade provisória não se justifica, não havendo elementos para a convicção de que em liberdade o indiciado (o motorista) não dificultaria a aplicação da lei penal', disse em sua decisão.

O motorista está preso desde o fim de semana após colidir na traseira da moto em que estavam Flaviana e o noivo. Eles caíram e o rapaz teve apenas ferimentos leves. Depois de bater a cabeça no carro, a jovem caiu e teria sido arrastada por 900 metros. Motoristas que presenciaram o acidente fizeram com que Oliveira parasse. Em vez de prestar socorro, ele fugiu e acabou preso pouco tempo depois.

Flaviana está internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Beneficência Portuguesa e corre risco de vida. Em nota, o médico da UTI, Marden Amaral Filho, diz que "a paciente segue em estado grave, em coma induzido por sedativos, respirando com auxílio de aparelhos, pressão arterial e freqüência cardíaca estáveis".