Rio pode receber segunda unidade especializada da Força Nacional

Marco Antônio Soalheiro, Agência Brasil

LUZINIA - O secretário nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri, informou nesta terça-feira, que o Ministério da Justiça e o governo do Estado do Rio de Janeiro negociam um acordo para a instalação de um batalhão especializado da Força Nacional de Segurança na capital fluminense. A destinação do trabalho não seria, entretanto, a mesma do Batalhão Especial de Pronto Emprego (Bepe) lançado em Luziânia, no Estado de Goiás, que é a intervenção em situações de gravidade aguda.

- Há uma possibilidade de aquartelamento da Força também no Rio de Janeiro. O secretário [de Segurança Pública do Rio, José Mariano] Beltrame já conseguiu um local. Pode ser, por exemplo, uma segunda unidade do Bepe, mas com feição diferenciada. Ela vai existir precisamente para dar apoio à polícia de proximidade no Rio - explicou Balestreri.

Segundo o secretário, o policiamento de proximidade ou comunitário é o modelo ideal para os chamados crimes ordinários, como os assaltos, sequestros e estupros. Em Goiás, ele disse que o governo federal vai bancar a instalação de 20 postos de polícia comunitária em municípios do Entorno do Distrito Federal - uma contrapartida à cessão do quartel do 10º Batalhão de Polícia Militar, em Luziânia, para o Bepe.

Balestreri ressaltou também que Força Nacional de Segurança não deve atuar de forma permanente nos territórios.

- Nós não substituímos as polícias estaduais e não queremos federalizar a questão da segurança pública - frisou.