PA: preso suspeito de envenenar e queimar família

Portal Terra

BELÉM - Francisco Camelo de Oliveira Filho, 27 anos, foi preso na cidade de Alenquer, no oeste do Pará, suspeito de assassinar o pai, a madrasta, os dois irmãos - sendo um de 9 anos e um bebê de 6 meses - e a cunhada do pai. Todos foram envenenados e tiveram os corpos queimados em uma cova rasa que era usada para a fabricação de carvão. Segundo a polícia, o suspeito confessou o crime e disse que sofria ameaças por parte do pai.

O crime teria ocorrido há pelo menos 45 dias, mas só foi descoberto pela polícia na noite de quarta-feira, depois de encontrados os restos mortais da família no sítio Santa Tereza, na área rural da cidade. - Vizinhos da família notaram o desaparecimento deles e denunciaram à polícia e passamos a investigar o caso no início do mês - disse o delegado do município, Germano Carneiro.

Após ouvir testemunhas, o único membro da família vivo, Francisco Camelo de Oliveira Filho, passou a ser o principal suspeito da morte.

- Ele chegou a ser ouvido logo no começo das investigações, mas disse que não sabia onde a família estava - contou o delegado.

De posse de um mandado de busca, os policiais estiveram na fazenda do suspeito, onde encontraram dois revólveres calibre 38 e os restos mortais das vítimas em uma caieira - buraco usado para fabricação de carvão. Os corpos haviam sido queimados.

- Ele disse que o pai chegou a atirar nele duas vezes e que, antes de morrer, ele mataria - contou o delegado. O motivo da desavença seria a partilha das duas fazendas de seu pai, a Santa Tereza - onde mora o suspeito - e a Milagres, onde a vítima morava com a nova família, após a separação.

Segundo a polícia, o jovem contou como premeditou todo o crime. Ele teria chamado a família para jantar em sua casa e colocado veneno para matar rato na comida que seria servida. Ainda de acordo com seu depoimento, a família saiu da casa em seguida e se dirigiu à outra fazenda do pai do suspeito, que fica a apenas 300 m do local. - Confessou que entrou na casa e levou os corpos, um a um, até a caieira e cobriu com madeira e ateou fogo - afirmou o policial.