OAB diz que é perceptível a insegurança ao telefone no país

Agência Brasil

BRASÍLIA - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, disse que é perceptível a insegurança que tem o cidadão ao falar em telefones no país. Britto fez a afirmação ao chegar para a Conferência Nacional para Superação da Violência e Promoção da Cultura da Paz, que acontece na sede do Conselho Federal da OAB.

Questionado sobre a afirmação do procurador-geral da República, Antônio Fernando Souza, de que talvez Britto não conheça o Ministério Público e a polícia o suficiente para dizer que o Brasil é um país da 'bisbilhotice', Brito disse que justamente por conhecer é que afirmou que o Brasil é 'uma grampolândia'.

Segundo Britto, é a população que conhece melhor o problema. Em tom de brincadeira, ele afirmou que, a julgar pelo número de pessoas que sofrem com o problema do grampo telefônico, o Brasil tem de 10 a 30 milhões de criminosos, já que esse mecanismo geralmente é usado em investigações criminais.

- É claro que isso é um exagero, embora seja cometido com autorização da Justiça e com a interveniência do Ministério Público - esclareceu. Britto explicou que, ao ter afirmado ontem que o Brasil era uma 'grampolândia', quis chamar as pessoas à reflexão. - Não fiz uma crítica para mostrar que isso ocorre, mas propus uma reflexão para que isso não ocorra. Estamos em uma democracia e isso pressupõe respeito ao cidadão - disse.