SP: surge novo nome no caso Alstom, diz jornal

JB Online

SÃO PAULO - Um novo nome surgiu nas investigações sobre as supostas propinas pagas pela Alstom a políticos de São Paulo. Trata-se de uma pessoa chamada de "Neves" que é citada em um comunicado apreendido pela promotoria suíça que apura o caso. As informações são do Estado de S. Paulo.

Neves aparece em um documento enviado por Andre Botto, diretor da Cegelec - empresa do grupo Alstom. Ao lado do nome de Neves aparece o número "8,5%", que os investigadores acreditam ser o percentual que o suspeito receberia para fazer a transação.

Os agentes suspeitam que "Neves" seja o pseudônimo de alguém ligado ao então governador Mario Covas ou alguém que tenha trabalhado na administração estadual.

A Alstom é investigada pelo Ministério Público de Paris desde novembro de 2007 por suspeita de ter pago US$ 6,8 milhões como propina por um contrato de US$ 45 milhões com o Metrô de São Paulo. A bancada do PT na Assembléia Legislativa levanta suspeição sobre contrato de 1994 entre o Metrô e a Alstom, para reforma e ampliação do Centro de Controle Operacional, que vigorou até 2006 e teve 14 aditamentos.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais